Avaliando teses e dissertações: uso de um instrumento para análise crítica de relatório de pesquisa

por Nivaldo Calixto Ribeiro, Sarah Rúbia de Oliveira Santos, Gracilene Maria de Carvalho, Rômulo de Barros Teixeira, Benildes Coura Moreira dos Santos Maculan e Beatriz Valadares Cendón

Press Release

A comunicação científica inclui a publicação de pesquisas em artigos de periódicos científicos, livros, teses, dissertações, em anais de eventos, entre outros, sendo estas produções científicas, em geral, pré-avaliadas por pares. O entendimento de que avaliação prévia pelos pares é, provavelmente, o fator mais importante e determinante do caráter científico de um conhecimento, torna imprescindível o processo de julgamento de um manuscrito submetido à publicação ou certificação (TOUTAIN, 2007).

Fonte: Banco de imagens Wix (2021)


A avaliação de teses e dissertações tem uma dupla função, pois, além de verificar a sua qualidade, analisa se um candidato a doutor ou mestre demonstra no seu trabalho o conhecimento requerido para receber tal título. Assim, é importante que os relatórios de pesquisas das teses e dissertações preencham os requisitos de qualidade demandados dos documentos científicos.


A relevância do produto resultante consiste na sua contribuição para a avaliação e elaboração de relatórios de pesquisas, colaborando para o rigor científico e qualidade de sua apresentação. Um instrumento para avaliação de teses e dissertações foi criado visando possibilitar que o próprio pesquisador avalie seu trabalho dentro de parâmetros definidos com base na literatura sobre metodologia e escrita científica e pode ser utilizado por pesquisadores como um guia para autoavaliação e condução de pesquisas, desde a atribuição do título à escolha das referências utilizadas, perpassando pelos critérios de cientificidade da pesquisa, da ilustração e da discussão dos resultados, entre outros elementos. A construção do instrumento se baseou na análise da aderência de uma pesquisa científica às recomendações de Creswell (2014), complementadas pelas normas da ABNT/NBR 6023 (2018), ABNT/NBR 6028 (2003), ABNT/NBR 14724 (2011) e das publicações de Babbie (2012), Gil (2012, 2018), Guimarães (2005), Lunardelli, Paiva e Kawakami (2020), Minayo (2015), Prodanov e Freitas (2013), Vergara (2016) e Wilkinson (1991). É composto por nove itens, subdivididos em 67 critérios, em formato de perguntas. Para a avaliação, em cada critério é necessária uma marcação em uma escala do tipo Likert, de 5 pontos, ou seja, o valor 1 é correspondente à apresentação mais fraca do critério e o valor 5, à mais forte. Como recurso alternativo, foi inserida no instrumento a opção “Não se aplica (N/A)” para aqueles critérios em que o avaliador entende que não condiz com a proposta estrutural de sua pesquisa. Acesse aqui e teste o instrumento em seus trabalhos.

Após o relato das bases para o desenvolvimento e exposição do instrumento, o artigo, que ora se apresenta, relata a aplicação na avaliação de uma tese e de uma dissertação. Por fim, entendeu-se que o instrumento se mostrou adequado para a finalidade proposta, avaliação de relatórios de pesquisa de teses e dissertações, com a recomendação de que o estilo do autor e a especificidade de cada investigação devem ser levados em consideração.


Para ler o artigo na íntegra, acesse:

RIBEIRO, N. C.; SANTOS, S. R. de O.; CARVALHO, G. M. de; TEIXEIRA, R. de B.; MACULAN, B. C. M. dos S.; CENDÓN, B. V. Instrumento para análise crítica de relatórios de pesquisas: teses e dissertações. Encontros Bibli: revista eletrônica de biblioteconomia e ciência da informação, [S. l.], v. 26, p. 01-25, 2021. DOI: 10.5007/1518-2924.2021.e78678. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/eb/article/view/78678. Acesso em: 16 set. 2021.

Referências

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 6023: informação e documentação : referências : elaboração. Rio de Janeiro, RJ: ABNT, 2018.


ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 6028: informação e documentação : resumo : apresentação. Rio de Janeiro, RJ: ABNT, 2003.


ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 14724: Informação e documentação: Trabalhos acadêmicos : apresentação. Rio de Janeiro, RJ: ABNT, 2011.


BABBIE, E. R. The practice of social research. Belmont: Wadsworth Publishing, 2012.


CRESWELL, J. W. Research design: qualitative, quantitative, and mixed methods approaches. 4. ed. Thousand Oaks: Sage, 2014.


GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 6. ed. Rio de Janeiro: Atlas, 2018. 169 p.


GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2012. 200 p.


GUIMARÃES, J. A. C. O resumo como instrumento para a divulgação e a pesquisa científica. Revista Brasileira de Educação Especial, Marília, v.11, n.1, p.3-16, Jan.-Abr. 2005. Disponível em: https://www.abpee.net/pdf/artigos/art-11-1-1.pdf. Acesso em: 10 jan. 2021.


LUNARDELLI, R. S. A.; PAIVA, A. D. C. KAWAKAMI, T. T. Os resumos e suas especificidades em periódicos brasileiros da Ciência da Informação. Encontros Bibli: revista eletrônica de biblioteconomia e ciência da informação, Florianópolis, v. 25, p. 01-17, 2020. DOI: https://doi.org/10.5007/1518-2924.2020.e65367OS. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/eb/article/view/1518-2924.2020.e65367. Acesso em: 10 jan. 2021.


MINAYO, M. C. (Org.). Pesquisa social: teoria, método e criatividade. 34. ed. Petrópolis: Vozes, 2015.


PRODANOV, C. C.; FREITAS, E. C. Metodologia do trabalho científico: métodos e técnicas de pesquisa e do trabalho acadêmico. 2. ed. Novo Hamburgo, RS: Feevale, 2013. 274 p.

TOUTAIN, L. M. B. (Org.). Para entender a ciência da informação. Salvador : EDUFBA, 2007. 42 p. (Saladeaula ; 5). Disponível em: https://repositorio.ufba.br/ri/handle/ufba/145. Acesso em: 2 set. 2020.


VERGARA, S. C. Projetos e relatórios de pesquisa em administração. 16. ed. São Paulo, SP: Atlas, 2016. 94 p.


WILKINSON, A. M. The scientist’s handbook for writing papers and dissertations. Englewood Cliffs, NJ: Prentice Hall, 1991.



Dados bibliográficos dos autores


Nivaldo Calixto Ribeiro é doutorando em Gestão e Organização do Conhecimento pela Universidade Federal de Minas Gerais. Mestre em Administração. Atualmente é Bibliotecário-documentalista na Universidade Federal de Lavras.

E-mail: zoopas@gmail.com

Orcid: https://orcid.org/0000-0003-0650-0121

Sarah Rúbia de Oliveira Santos é doutoranda e mestre pelo Programa de Pós-graduação em Gestão e Organização do Conhecimento da Universidade Federal de Minas Gerais (PPG-GOC/UFMG), Bacharela em Biblioteconomia pela Universidade Federal de Alagoas (UFAL). E-mail:sarahrubia22@gmail.com

Orcid: https://orcid.org/0000-0003-1118-3482

Gracilene Maria de Carvalho é mestre pelo Programa de Pós-Graduação em Gestão e Organização do Conhecimento da Escola Ciência da Informação da Universidade Federal de Minas Gerais (PPG-GOC/UFMG). Bacharel em Biblioteconomia pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Bibliotecária da Universidade Federal de Ouro Preto.

E-mail: gracilenecarvalho03@gmail.com

Orcid: https://orcid.org/0000-0002-4536-6511

Rômulo de Barros Teixeira é mestrando pelo Programa de Pós-Graduação em Gestão e Organização do Conhecimento da Escola Ciência da Informação da Universidade Federal de Minas Gerais (PPG-GOC/UFMG).